Arquivo da categoria ‘Críticas’

O que aconteceu e virou notícia nestes últimos  dias…

Bom dia! Boa tarde! Boa noite!

E aí galera… beleza?

Depois de um tempinho longe, volto hoje a postar com a maior alegria…

Vamos ao Salada Mista de hj…

Clique aqui embaixo..

(mais…)

Anúncios

Olá, pessoal!

O post de hoje é um desabafo.

Sei que muitos que leem o blog não conhecem ou nem se quer ouviram falar em São Gonçalo mas – me desculpem – eu preciso desabafar.

São Gonçalo é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro. Sua população em 2010 era de 999 90habitantes, sendo a segunda cidade mais populosa do estado, depois da capital.

Na Educação, a cidade se destaca com a Faculdade de Formação de Professores (UERJ- FFP), onde eu estudo. =)

Este é o maior polo especializado do estado em formação de professores, tendo como resultado mais visível a enorme quantidade de aprovados nos concursos públicos por todo o Brasil.

Sua importância é ampliada quando analisamos que é um polo avançado de formação de pessoal de nível superior por parte da UERJ numa das principais cidades do estado do Rio de Janeiro. Seus discentes são residentes, em sua maioria, de São Gonçalo. Porém, em ordem decrescente, as cidades de origem dos mesmos são: Niterói, Rio de Janeiro, Itaboraí, e municípios da Baixada Fluminense, entre outras.

Mas, apesar da UERJ, a cidade é uma vergonha em tudo quando se trata de educação.

A taxa de analfabetismo é tão alta que nem o site da prefeitura divulga. Claro!

Como se isso não bastasse,  a nossa queria prefeita Aparecida Panisset decidiu, além de muitas outras sujeiras, fazer campanha política com o dinheiro público.

(mais…)

Na Roma antiga, a escravidão na zona rural fez com que vários camponeses perdessem o emprego e migrassem. O crescimento urbano acabou gerando problemas sociais e o imperador, com medo que a população se revoltasse com a falta de emprego e exigisse melhores condições de vida, acabou criando a política “panem et circenses”,  a política do pão e circo. Nessa medida, o governo de Roma realizava grandes espetáculos, nos quais a população plebeia gastava parte de seu tempo assistindo a disputas esportivas e a lutas entre os gladiadores. Durante a mesma ocasião, alimentos e trigo eram fartamente distribuídos para a população menos favorecida.

O objetivo era alcançado, já que ao mesmo tempo em que a população se distraia e se alimentava também esquecia os problemas e não pensava em rebelar-se. Foram feitas tantas festas para manter a população sob controle, que o calendário romano chegou a ter 175 feriados por ano.

(mais…)

Olá!

Primeiramente gostaria de pedir desculpas ao leitor por este post. Ele vai parecer um pouco nerd, sem graça e formal d+. Eu não tenho o costume de ser assim por aqui. Mas é que hoje – dia do trabalho – estou de luto. Os motivos vocês verão a seguir…

O “dia do trabalho” nasceu já faz mais de 120 anos, como uma homenagem aos chamados Mártires de Chicago, nos Estados Unidos, julgados e condenados à morte por liderar uma luta contra a exploração capitalista. Desde 1889, considerou-se que a melhor forma de expressar essa homenagem seria realizar todo ano, nesta data, um dia internacional de luta pelas reivindicações da classe operária. Naquela época, foi assumido como eixo central a luta para conquistar a jornada de 8 horas de trabalho.

Desde então, a burguesia tentou, primeiro, apagar a data da memória dos trabalhadores e, depois, como não obteve êxito, procurou tirar o seu conteúdo de luta e transformá-la em um inofensivo “dia de festa”. A partir da década de 1990, este objetivo acentuou-se com uma campanha ideológica que anunciava estrondosamente o triunfo do “capitalismo sobre o socialismo” e o fim da “luta de classes”.

(mais…)

Bom Dia, Boa Tarde e Boa Noite, meus caros amigos leitores.

O Nós 4 volta ao seu normal após um dia de pausa devido os acontecimentos na cidade do Rio de Janeiro, que impossibilitaram o membro que vos escreve de vir aqui dividir essas simples e expressivas palavras.

Venho hoje lançar a série “Protesto”:  posts influenciados por acontecimentos e atitudes exóticas da sociedade, e que não me passam na garganta.

O cenário é de pessoas que se dizem cabeça aberta, livres da alienação imposta por meios de comunicação e formadores de opinião, e claro, conhecedoras dos seus direitos. No entanto…

Se meus protestos são em vão, eu não sei, mas são meus. E eu definitivamente não quero mais do mesmo a qualquer hora, em qualquer lugar.

Eu protesto contra…

(mais…)

O que aconteceu e virou notícia nestes últimos 4 dias…

E aí galera… beleza?

Bom dia! Boa tarde! Boa noite!

Feliz Páscoa a todos! Que a luz do Cristo ressuscitado possa iluminar e guiar seus corações!!

Vamos ao Salada Mista de hj…

Clique aqui embaixo..

(mais…)

O que aconteceu e virou notícia nestes últimos 4 dias…

E aí galera… beleza?

Bom dia! Boa tarde! Boa noite!

Bom.. resolvi batizar de vez os meus posts como “Salada Mista”, já que procuro falar aqui um pouco de tudo… e de tudo um pouco!!

Hoje muitas coisas pra vocês: Política… Economia… Ontem e Hoje na história… Carnaval… Esportes… Pensamento do dia…

Tem pra todos os gostos…

Vamos ao post..

(mais…)

Quando não estão ocupados demais aprovando aumentos incríveis nos próprios salários como os que vimos no início deste ano, que, para quem não lembra, foi aquele aumento de 61,83% nos salários dos próprios parlamentares, de 133,96% no Presidente da República e de 148,63% no  do vice-presidente e dos ministros de Estado;  agora, nossos grandes deputados resolvem ressuscitar o Projeto de Lei do Senado n° 170/06. A pérola constitucional apresentada pelo Senador Valdir Raupp (PMDB-RO) em 2006 visa proibir e criminalizar “o ato de fabricar, importar, distribuir, manter em depósito ou comercializar jogos de videogames ofensivos aos costumes, às tradições dos povos, aos seus cultos, credos, religiões e símbolos.”
Eu não consigo ignorar  a ideia de termos em votação tais projetos de leis absurdos, enquanto nossas leis ditas essenciais, demoram meses ou anos para serem votadas, quando em caráter emergencial. Mas fiquei surpreso com essa em especial quando fiquei sabendo que tem gente dando corda nessa idéia. A ressurreição foi apoiada pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado e ainda teve acréscimo da nobre senhora senadora  Serys Slhessarenko (PT-MT), que provavelmente não tem filhos, pois senão pensaria duas vezes antes de falar tais asneiras, que resolveu sugerir uma mudança supimpa para os incríveis jogos que trazem o selo de aprovação do Papa: a substituição da palavra videogame (“origem inglesa”) para “jogo eletrônico”. Desculpem, parece, mas não é piada.
(mais…)

 Jair Messias Bolsonaro, nascido em Campinas,  militar e político, considerado um representante da extrema-direita brasileira. Cumpre sua sexta legislatura na Câmara dos Deputados do Brasil. É pai de Carlos Bolsonaro, eleito vereador aos 17 anos de idade em outubro de 2000, tornando-se o mais jovem vereador da história do Brasil. E porque não nasceu estéril?

Polêmico. O Deputado tem sua vida constantemente marcada por comportamentos questionáveis e palavras e atos extremistas.

Ainda quando Capitão, em 1986, foi declarado indigno de exercer a função de Oficial do Exército, devido a sua postura problemática e indisciplinar. E de lá para cá, essa postura não teria mudado muito…Restou a ele se tornar político.

Ficou conhecido por suas idéias de cunho nacionalista e conservador, criticando fortemente o comunismo e as esquerdas,  e defendendo abertamente o regime militar instalado no Brasil em 1964.        

Em 2000, Jair Bolsonaro defendeu, numa entrevista à revista IstoÉ, a utilização da tortura em casos de tráfico de droga e sequestro e a execução sumária em casos de crime premeditado. Ele justifica o uso da tortura pois, segundo ele, “O objetivo é fazer o cara abrir a boca. O cara tem que ser arrebentado para abrir o bico.” É assim que se faz,”Missão dada é missão cumprida”

(mais…)


“No futebol, o Brasil ficou entre os 8 melhores do mundo

e todos estão tristes. Na educação é o 85º e ninguém reclama.”

Quem já ouviu essa frase? E o que você fez? Provavelmente, nada.

(mais…)